Como se livrar do Mofo?

Atualizado: 29 de Mar de 2018

Mofo é desconfortável, e pode causar mais do que problemas à sua casa, ele pode afetar sua saúde também. Se livrar dele é fácil com UNISEC, o evita-mofo em refil, que funciona com qualquer pote de desumidificador de ambientes que possuir, além de render mais e evitar lixo.



Mas para começar, O QUE É MOFO?


Mofo ou Bolor é o nome dado à um grupo de fungos filamentosos que possuem uma estrutura diferente de seus parentes cogumelos. São frequentemente encontrados em locais úmidos e com pouca incidência de luz, ou em matéria orgânica como alimentos em decomposição, couro, madeira, papel entre outros.

Mesmo que alguns tipos de fungos sejam considerados benéficos para a saúde e usados na indústria farmacêutica e alimentícia, o mofo


deve ser evitado e eliminado por estar associado a algumas doenças, consideradas graves inclusive.


QUAIS PROBLEMAS O MOFO CAUSA?


Além de ser incomodativo visualmente, dando um ar de desleixo no ambiente, o mofo pode ser tóxico e responsável pelo aparecimento de doenças como:


SINUSITE FÚNGICA

Denominada o tipo de sinusite causada por bactérias fúngicas. Ocorre quando fungos se alojam na cavidade nasal formando uma massa fúngica. Essa inflamação pode causar danos graves nas mucosas nasais. Seus sintomas variam de dor na face e secreções purulentas à mau hálito, fadiga, falta de apetite e perda de peso.



“As sinusites fúngicas podem ser classificadas em 4 categorias:

  • Aguda fulminante: doença rapidamente progressiva, invasiva, que pode evoluir para a morte em horas ou dias, quando não diagnosticada e tratada prontamente. Ocorre predominantemente em diabéticos não controlados ou em pacientes imunocomprometidos. Os fungos da família Mucoraceae (gênero Rhizopus e Absida) são os principais agentes etiológicos. O tratamento baseia-se na retirada cirúrgica do material necrótico, anfotericina B intravenosa e controle da doença de base.

  • Crônica indolente: é uma forma crônica e invasiva que ocorre em indivíduos imunocompetentes, não atópicos, com história de rinossinusite crônica. Causada principalmente por fungos dos gêneros Aspergillus, Bipolaris, Curvularia, Alternaria e Cladosporium. É mais comum em regiões de clima quente e úmido. O tratamento consiste em debridamento cirúrgico e quimioterapia antifúngica.

  • Micetoma ou bola fúngica: é uma forma crônica, não invasiva e não progressiva, com mínimos sintomas, geralmente uma le


ve sensação de pressão facial. Observada em pacientes imunocompetentes, não atópicos. Envolve mais comumente o antro maxilar. Não há erosão óssea ou invasão de mucosa. O Aspergillus fumigatus é o agente etiológico mais comum. O tratamento é cirúrgico, com a remoção da bola fúngica.

  • Alérgica: forma não invasiva que acomete indivíduos atópicos, imunocompetentes. Está, na maioria das vezes, associada à polipose nasal e à asma, tendo como característica principal a presença de mucina alérgica.”

Trecho descrito no artigo Sinusite Fúngica Alérgica: Atualização, do grupo de Imunologia formado por José L. Boechat, Denise de la Reza, Augusto T. Abe, Solange O. R. Valle e Alfeu T. França



SÍNDROME DA RESPOSTA INFLAMATÓRIA SISTÊMICA:

Uma doença crônica grave, relacionada a doenças por biotoxinas, é responsável por uma disfunção grave em diversos órgãos do corpo humano.

A síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SRIS) é caracterizada por seqüências de eventos fisiológicos envolvendo todas as células do corpo, desencadeada frente a uma agressão física, química ou biológica, levando ao processo inflamatório com liberação dos mediadores químicos (Salles et al.,1999; Junior, 2003; Silva & Vi


cent, 2008; Fragata et al. 2008).

Seus sintomas podem ser os mais variados:

· Depressão e ansiedade

· Queda de cabelo

· Problemas de memória

· Mal-estar e fraqueza pós exercícios

· Perda de olfato

· Aumento do volume de urina

· Sede excessiva

· Rachaduras na pele

· Cãibras, dor nas articulações e no corpo

· Dormência e formigamento

· Dores de cabeça

· Sensibilidade a luz, visão turva e olhos vermelhos

· Rinite, sinusite, tosse crônica, asma

· Tremores

· Dores abdominais e náuseas

· Alteração de apetite

· Ganho de peso



· Suores noturnos e problemas de regulação de temperatura

· Gosto metálico na boca

· Vertigem

Entre outros.


Como o mofo aparece?



O mofo aparece através de esporos que viajam pelo ar e se instalam em lugares úmidos, abafados e com poucas luz, se reproduzindo e formando uma colônia.Se alimentado de matéria orgânica e continuam crescendo até se tornarem visíveis.


Onde o mofo pode aparecer?


Não existe local específico para o aparecimento destes fungos. A causa do problema é a falta de ventilação, falta de iluminação e umidade em ambientes, principalmente fechados. Quando há esses fatores pode ocorrer fungos em diversificados locais, como interior de recipientes, roupas e tecidos, abaixo e atrás de móveis, lugares com vazamentos e infiltrações, sótãos e porões, etc.




O mais importante, COMO EVITAR O MOFO?


Para evitar o mofo é importante evitar a condensação e a umidade. Condensação é uma mudança de estado onde as gotículas de água no ar, em contato com uma superfície com temperatura menor, se agrupam e passam para a forma líquida. Um exemplo é quando você respira próximo a janela e o vidro embaça, isso acontece por que a umidade contida na respiração se prende ao vidro e volta a sua forma líquida.

Para evitar a condensação, é necessário que haja ventilação no ambiente para se livrar na umidade. Caso contrário, ela penetrará nas superfícies e criará manchas de umidades, onde o mofo normalmente se desenvolve. Quando não há exaustores, basta arejar o ambiente, abrindo portas e janelas, isso permitirá que a umidade saia do local.Para locais onde não é possível ter esse arejamento, existe um produto chamado evita-mofo. Um desumidificador de ambientes é composto por Cloreto de Cálcio, que absorve as micropartículas de água do ar, condensando-as e armazenando no próprio recipiente. Ele evitará que ocorra o aparecimento de mofo no local.